Postagens

VÍDEO: Walkyria Santos faz alerta a pais sobre os efeitos negativos da Internet na vida dos jovens após perder filho

Ministério das Comunicações doa 100 computadores a escolas municipais do RN

Randolfe se descontrola acusa Brasil Paralelo de ser ‘aliada do vírus’ e insiste na quebra de sigilo

Filho da cantora Walkyria Santos de 16 anos é encontrado morto na Grande Natal

Thiago Braz leva a medalha de bronze no salto com vara nas Olimpíadas de Tóquio

Curso para Bombeiro Civil e Socorrista APH começa dia 24 na CEDUCAT. Últimas Vagas!

Fotos: Lucy Nicholson/Reuters/REUTERS/Aleksandra Szmigiel A dancinha começou já na pista de aquecimento, quando ele deslizou o dedo pela tela do celular e mandou a primeira da sua sequência de músicas da playlist “Olympic Games”, escolhida com todo amor e carinho antes da viagem para as Olimpíadas de Tóquio. Prosseguiu na antessala dos atletas, onde eles ficam nos minutos antes da prova. Na hora da apresentação, Alison Brendom dos Santos, o Piu, de 21 anos, entrou com confiança, apontou para os céus e pediu proteção. A combinação de descontração e foco surtiu efeito. Piu disputou a decisão dos 400m com barreiras no Estádio Olímpico de Tóquio sob forte sol e uma temperatura de 31ºC (sensação de 38ºC) com autoridade. E o resultado foi histórico. Com a marca de 46s72, novo recorde sul-americano, ele levou a medalha de bronze. O ouro ficou om o norueguês Karsten Warholm, com novo recorde mundial (45s94). A prata acabou com o norte-americano Rai Benjamin (46s17). Foi a primeira medalha brasileira no atletismo nas Olimpíadas de Tóquio e a 18ª da modalidade em todos os tempos – a primeira veio há 69 anos, com o ouro do lendário Adhemar Ferreira da Silva no salto triplo em Helsinque 1952. Antes da decisão pelas medalhas, Alison já havia quebrado seis vezes o recorde continental da prova em um espaço de pouco mais de três meses. A sequência incrível o deixou mais próximos dos dois expoentes da prova: o norueguês Karsten Warholm, bicampeão mundial e atual recordista mundial (46s70), e o norte-americano Rai Benjamin, dono da terceira melhor marca de todos os tempos (46s83). Nascido em São Joaquim da Barra, interior de São Paulo, o corredor chama a atenção à primeira vista por carregar consigo uma grande cicatriz na cabeça e outras um pouco menores no peito e no braço esquerdo. As marcas são o resultado de um acidente doméstico com uma panela de óleo quente aos 10 meses de idade. “Puto”, brasileiro Abner Teixeira conquista bronze no boxe Abner Teixeira acerta golpe em Julio La Cruz na semifinal: ele é bronze no boxe nas Olimpíadas de Tóquio — Foto: Wander Roberto/COB A medalha é bem-vinda, mas Abner Teixeira não quis fazer média. Depois de perder na semifinal olímpica para o cubano Julio La Cruz, o peso pesado brasileiro foi “sincerão” ao comentar a derrota, mesmo sabendo que o bronze estava garantido, já que no boxe não há disputa de terceiro lugar. – Isso vai ficar chato de dizer na TV, mas ‘tô’ p*** né? Ninguém gosta de perder, especialmente eu, odeio perder. Trabalho para não acontecer isso. Mas pelo fato de ser medalhista, fico feliz, era o que tinha me proposto a fazer. É a realização de um sonho, de querer estar aqui, participar de uma Olimpíada e não só isso, ganhar uma medalha – afirmou o paulista ao SporTV. O lutador de Santo Amaro-SP admitiu que não conseguiu impor seu melhor jogo. Ele creditou o cubano, tetracampeão mundial e medalha de ouro olímpico na Rio 2016, por implementar melhor sua estratégia e não permitir que ele jogasse na sua distância preferida. – Ele soube usar a experiência dele bem. Eu estava me sentindo muito bem para essa luta, não tem desculpa, nem lesão, nada. Trabalhei da melhor forma possível, a luta ficou um pouco agarrada, acho que foi a estratégia dele, não estava conseguindo boxear. Ele acabou parando comigo na curta, não estava esperando. Mas mesmo sem esperar, eu estava pronto, fiz o que consegui fazer. Tentei explodir, acertar o corpo dele, minar o gás dele, mas ele acabou sendo melhor. Mal saiu do ringue, Abner já vira a chave para outros dois compromissos ainda em 2021. E também já está de olho em Paris 2024. – Mês que vem tenho o Campeonato Mundial Militar na Rússia. Saindo daqui, vou iniciar diretamente meus treinamentos para o campeonato. E depois desse campeonato, em outubro, eu tenho o Campeonato Mundial de Boxe, em Belgrado, que é minha outra meta, ser campeão mundial de boxe. Vamos atrás dessa outra meta. (…) Paris vai ser melhor, tenho certeza. Abner levou a quarta medalha de bronze do boxe brasileiro na história dos Jogos Olímpicos: além dele, Servílio de Oliveira (Cidade do México 1968) e Adriana Araújo e Yamaguchi Falcão (Londres 2012) também conquistaram esta medalha. A seleção brasileira tem ainda mais duas medalhas garantidas em Tóquio, com Hebert Conceição e Bia Ferreira, já classificados às semifinais em suas categorias. Com Globo Esporte

Olimpíadas de Tóquio: Alison dos Santos, de apenas 21 anos, conquista bronze nos 400m com barreiras; “puto”, Abner Teixeira consegue mais uma medalha para o boxe brasileiro

Santos pega um na disputa de pênaltis, Brasil despacha México e vai à final pelo bicampeonato olímpico

CPI da Covid: instalação e membros serão anunciados nesta quarta-feira

Ministro das Comunicações defende privatização dos Correios em pronunciamento

Associação Brasileira de Rádio e Televisão (Abratel) repudia requerimento de Renan Calheiros sobre quebra de sigilo da Jovem Pan na CPI da Covid

Veja a programação das Olimpíadas com participação de brasileiros entre noite desta segunda e madrugada e manhã de terça